Retrospectiva 2016: Kitesurf no Piauí

Os maiores acontecimentos no mundo do kitesurf de ponta a ponta no litoral piauiense

0
832

O ano de 2016 foi repleto de boas notícias no kitesurf, aqui no Piauí. Com um calendário movimentado, principalmente no segundo semestre, quando começou a temporada de ventos alísios, que vai de julho até o mês de fevereiro. Entre competições e atividades, o litoral piauiense tem o clima perfeito para a prática do velejo, sediando assim campeonatos e revelando talentos para o esporte.

O Projeto vivo no Mundial de Kitesurf

Mas não foi por suas praias que o Piauí foi destaque no primeiro semestre e sim pelos piauienses nativos de Barra Grande. Os meninos do Projeto Vivo participaram pela primeira vez da Copa do Mundo Junior de Kitesurf, em Saint-Pierre La Mer, na França, no mês de abril. Guigui Costa, Luís Fernando e Manoel Piçarrinha foram os representantes o Projeto.

Acostumado ao sol do litoral piauiense, os meninos passaram por um período de adaptação e resistiram ao forte frio na região. O talento foi tanto, que os meninos conseguiram bons resultados em seu primeiro ano. Luís Fernando conquistou a 13ª posição e Guigui a 6ª colocação, dentro da categoria de 9 a 13 anos de idade. Manoel Piçarrinha, que no começo do ano tinha 15 anos, competiu na categoria de 14 a 15 e também atingiu o 6ª lugar.

carregar_13_4_2016_às_18_14_29

No embalo, Piçarrinha também participou do Mondial du Vent, em Lecaute, também na França. A competição da categoria Open foi mais um desafio para o piauiense que iria enfrentar mais uma vez kitesurfistas como Carlos Mário e Set Teixeira. Porém, Piçarrinha acabou perdendo para o bicampeão mundial de kite, Sébastien Garat e não chegou ao evento principal do Mondial, parando na segunda fase.

Esse ano foi muito bom, deu para pegar experiência no campeonato e no próximo ano fazer de novo. Estou treinando muito, treinando direto, para tentar fazer o melhor no meu segundo campeonato”, comentou Manoel Piçarrinha, aos 16 anos.

Downwinds pelo Piauí

O menor litoral do Brasil também é palco de muito downwind. Neste ano, mais edições foram realizadas com sucesso. O famoso Kitetrip Kalangão aconteceu no mês de setembro, com cinco dias de velejo que teve início na Praia do Cumbuco-CE, passando pelas praias também cearenses de Lagoinha, Icaraizinho, Preá, Camocim, até chegar em Barra Grande. O evento reuniu 70 velejadores de todo o país.

rk157607
Esta foi a 6ª Edição do Kitetrip Kalangão. Foto: Eliseu Souza

Outra trip do litoral piauiense foi Eco Downwind que reuniu cerca de 90 velejadores no trajeto de ponta a ponta das praias do Piauí, no mês de outubro. Buscando também a conscientização ecológica e a limpeza das praias, os kitesurfistas iniciaram pelo Cajueiro da Praia, Barra Grande, Macapá, Coqueiro, Praia de Atalaia, Pedra do Sal, chegando ao Delta do Parnaíba, em dois dias de viagem.

Logo depois do Eco Downwind21 velejadores do Pará continuaram o percurso do através do Extended conduzidos por Vinicius Felix. A trip teve 34 km, que começou na Ilha dos Poldros, no Delta do Parnaíba e foi até a Baía do Cajú com parada no Morro do meio. Foi a segunda vez que o grupo seguiram neste percurso para completar o downwind.

Competições durante a temporada

Ainda na pegada sustentável, no mês de outubro também aconteceu a 2ª Edição do Kite Soca, na Lagoa do Macapá com o objetivo de incentivar o esporte para a geração mais nova. A diferença é que a galera do Macapá desenvolve um trabalho de reciclagem na confecção do material do kitesurf, em que é feito com pipas de saco e cano de pvc, além de outros materiais recicláveis.

Os praticantes de kitewave também puderam participar da 1ª Clínica de Kitewave e também de um campeonato, com a presença do tricampeão brasileiro, Bruno Bordovsky, no mês de novembro, na Praia do Coqueiro, em Luís Correia (PI). Ao todo foram sete atletas que participaram da clínica e o campeonato foi disputado com três categoria. Um dos destaques foi Carlinhos, que conquistou a primeira colocação na categoria iniciante.

img_0663
Foto: Vinicius Felix

Um dos eventos mais aguardados do ano foi o Arena Kite Brasil, que desde o ano passado passou a ser etapa única do Campeonato Brasileiro de Kitesurf. Mais disputado, os piauienses puderam participar da competição que definiu Carlos Mário, o Bebê, que é atual campeão mundial, também campeão brasileiro, na categoria freestyle. O torneio aconteceu na Praia de Itaquí, na cidade de Luís Correia (PI), no mês de novembro.

No feminino, a vencedora foi a também cearense Maria Helena, as piauienses Camila Veras e Marilia Gabriela completaram o pódio na disputa. Mas o Piauí esteve no pódio na disputa pela categoria big air, com Bruno Eliziário, que conquistou o bronze. A galerinha do Projeto Vivo também esteve presente, com 13 atletas competindo no torneio de categoria Open.

img_0311
Foto: Vinicius Felix

Apesar de competirem na categoria maior para as suas idades, os meninos do Projeto Vivo tiveram a oportunidade de participar do 2º Campeonato do Projeto, na Praia de Barra Grande, no mês de dezembro. O torneio reuniu 30 atletas nas categorias de base e também na Open. O evento também contou com a participação de argentinos e franceses, além dos vizinhos do Ceará.

No feminino, novamente Maria Helena conquistou a disputa. No sub-11, a vitória também foi do cearense Leandro da Silva, o Tibumba. Fagner, do Projeto Vivo, ficou na terceira colocação. Na categoria sub-15, Guigui Costa e Luís Fernando foram 1º e 2º colocado respectivamente, sendo seguidos pelos cearenses Rafael Monteiro e João Lucas. No sub-20, Manoel Piçarrinha conquistou o primeiro lugar.

Teve também o Campeonato do Projeto Vivo, que fiquei em primeiro e também participei da competição em Fortaleza, em que fiquei em terceiro na categoria Open. O bom dessa competição é porque estou disputando com meninos da minha idade. É uma ideia da Isabel (Isabel Lupianez) para competirmos em nossa categoria”, finalizou Piçarrinha.

Foto: Osaia kite e Projeto Vivo
Foto: Osaia kite e Projeto Vivo