O acaso e o mar: após, um pedaço de prancha, Daniel se apaixonou pelo surf

Para o surfista, a receita da felicidade encontra-se nas ondas.

0
372

A sensação é meio que difícil de descrever, quando estou no mar esqueço tudo. É uma ligação entre a natureza que traz uma paz inexplicável, é como se você estivesse ligado ao mar e a sua prancha.”- Daniel Evangelista 

Nascido em Teresina, Daniel Evangelista passou a morar em Luís Correia (PI) aos 3 anos de idade. Sua primeira onda veio aos 8 anos, depois de um pedaço de prancha que achou na praia com o irmão, e assim surgiu a paixão. “Nós encontramos o pedaço de prancha, daí nasceu a vontade inexplicável de querer ir a cada dia mais a fundo nesse esporte”. Hoje com 24 anos, Daniel ainda lembra da sensação de surfar sua primeira onda. “Subir na prancha pela primeira vez foi tipo, não dormi direito pensando em acordar no dia seguinte e querer mais aquilo”, relata.

Foto: arquivo pessoal
Foto: arquivo pessoal

Em suas primeiras ondas, o surfista relembra como ele e o irmão dividiam a prancha e o mar. “Tínhamos só uma prancha e ficávamos dividindo 5 ondas pra cada, mas meu irmão sempre me enganava, queria pegar a melhor maré e eu chorava sempre. Ficava com o que restava daquele maré que pra nós é a melhor, a maré lisa”, brinca Daniel .

Além do surf, do qual já participou de 7 competições regionais, o atleta também pratica o jiu-jistu, sendo 4 vezes campeão na modalidade. ”Eu não sou muito de competição no surf, mas sempre que possível estarei competindo. Vejo o surf como uma terapia, é muito mágico pra mim, sabe algo que você faz que o mundo pode estar acabando, mas se você está ali nada importa, fica tudo tranquilo. Surf é vida”, conta o atleta. 

free-surf-atalaia-62
Foto: Piauí Surf

Como projeto futuro, o surfista gostaria de proporcionar oportunidades para crianças aprenderem o surf e o jiu-jitsu, pois conhece a dificuldade de ingressar no esporte e vê o surf crescendo, assim como seus praticantes.

O lifestyle do mundo surf proporcionou ao atleta bons amigos. Dentre eles, o que mais marcou foi sua amizade com Lucas Carvalho, surfista que faz história como exemplo no surf. “O surf mudou a vida do Lucas, que desde criança tinha problema para se comunicar. Como se  comunicava apenas com a família, eu e meu irmão levamos ele pro mundo do surf. Hoje ele é outra pessoa, é comunicativo e tem outros hábitos. Graças a isso nasceu a ideia do projeto social”, confessa Daniel.

daniel2
Foto: Arquivo Pessoal