A jornada pela busca da cultura surf de Mauricio Calado

O sonho de ser surfista virou realidade depois de muitas viagens e uma imersão no mundo surf.

1
305

Aloha! Tudo Firme né! Então pra mim foi um enorme prazer receber o convite no portal Piaui Surf para  ter esse espaço livre, onde poderei abordar meu ponto de vista sobre vários assuntos do meio surf.

O INÍCIO DE TODO O SONHO

Vou começar pelo começo. Quando fui contaminado pelo verme do surf… me lembro bem, foi em um final de tarde na praia de Atalaia(PI) onde estava com meus 14 anos na presença de minha mãe e uma amiga, olhando o mar vi dois surfistas chegando do meu lado e se preparando para entrar no mar, nunca tinha visto uma prancha de perto e fiquei discretamente observando  todas as ações deles. Alongamentos, reforço na parafina, colocação do leash e partiram para o mar….as ondas quebravam la fora em um outside bem distante.

Observando atentamente, ainda sim perdi eles de vista…quando  então vejo um deles vindo na primeira da serie rabiscando a linha da onda para direita e esquerda , um ser livre em pleno contato com a natureza e logo em seguida para meu êxtase, outro parceiro vem na segunda da serie maior ainda, demostrando mais habilidade, fazendo a onda até o seco, e os dois retornam ao outside. No mesmo instante me viro para minha mãe e digo que é isso que quero fazer da minha vida, surfar.

576947_379501905460882_369882964_n
Foto: Acervo Pessoal

Dali em diante tive que virar sozinho para ter minha primeira prancha, vendi meu super nintendo que foi presente de natal, para adquirir minha primeira prancha do excelente surfista Joel da praia do Coqueiro(PI). A prancha era um toco, mas pra mim era o objeto mais valioso que eu tinha. Minhas referências eram os surfistas da minha rua e do meu bairro do Carmo, Raimundão, Joel, Herbert Quadrado, Bosco.

AS PRIMEIRAS ONDAS, AS PRIMEIRAS AMIZADES E FINALMENTE SURFISTA

14568016_1135373636540368_2478713351192780303_n

Fui iniciando sozinho, ao 15 anos começaram minhas idas ao mar, primeiro para o mar de Atalaia em Luís Correia(PI) e depois que já sabia remar direitinho, resolvi entrar no mundo da praia da Pedra do Sal(PI) com várias personalidades diferentes do meu cotidiano. Fiz novas amizades, junto comigo iniciaram também vários surfistas na mesma  geração, como Ricardo Batoras, Hallyson, Patrick, Tuxinha, Dieguinho dentre tantos outros.

Passei por muitas histórias nesse meio tempo, onde através de todo o conteúdo que vinha absorvendo desse universo novo, não sabia o que seguir, mas queria me inserir nele, fazer parte e viver daquilo. Então a princípio comecei participando de competições, criando equipes uniformizadas, onde ganhávamos todas as categorias, porém, de fato, já observei  que viver de surf competição no nosso estado estava fora de cogitação. Junto com os amigos tivemos um programa na rádio com muita surf music, informes sobre os eventos nacionais, locais e internacionais, tabela da maré, previsão das ondas, com sorteio de peças, roupas e equipamentos, estava sempre inserido no meio e sonhando com ondas melhores.294633_365106240233782_1818962641_n

Comecei a fazer minhas primeiras surf trip ao estado do Ceará , onde um novo universo em progresso abriu mais minha mente, uma surf trip para a praia de Icarai(CE) na temporada com ondas perfeitas e tubulares.

Acabei resolvendo ficar por la de vez, trabalhando e surfando todo os dias na semana e no final de semana viajando para surfar em outros picos fora da região de fortaleza. A praia de Icarai era o destino principal, o mar tem muito tubo, muitas amizades foram feitas, conheci vários shapers e marcas novas, lojistas e vendedores, novos produtos e equipamentos, comecei a fazer esse intercâmbio, enviando esse material e essas informações ao amigos de Parnaíba(PI), foi quando retornei a cidade.

KAUAI BOARD HOUSE

Foto: Acervo Pessoal

Fui em várias lojas do meio, apresentei o projeto de um campeonato e foi um sucesso, com muita diversão, uma premiação recheada e  uma abordagem de competição e camaradagem.Trabalhei por muito tempo nas Lojas Duello para assim continuar dentro do esporte e ter renda para ter meus equipamentos e realizar minhas surftrips, fundei uma marca com meus amigos, a Kebrakoko, com camisas que faziam o maior sucesso com a garotada, onde apoiamos vários riders da cidade. Contudo a marca em sociedade não vingou, mas eu continuei sozinho e abri meu próprio espaço, pois sentia que faltavam equipamentos e acessórios em variedade e quantidade.

Foto: Acervo Pessoal

A Loja inicialmente se chamava K3 e com o nascimento de meu filho, mudei para Kauai Board House. Hoje somos líderes no segmento de Surf, Skate e Kitewave, pois fazemos uma consultoria especializado para cada cliente que recebo. Trabalho com os melhores shapers do Nordeste (Florasurfboards, GriloBoards e Freesession). Os melhores do Brasil como a WetWorks ( Ricardo Martins, Claudio kennek e Joca Secco) e um dos melhores e mais modernos shapers mundiais com as pranchas Mayhem da Lost Surfboards. Temos Equipamentos de todos os níveis e valores. Finalizo aqui minha apresentação e em breve nos encontramos por aqui novamente. Um Big Aloha !

  • Keyni Maciel

    Sempre o admirei, mesmo antes de conhecer pessoalmente. Viva a cultura Surf. Sucesso sempre!