Existem ondas tubulares no Piauí, nós procuramos, encontramos e surfamos muito

Os surfistas conheceram secret points e garantem que as ondas são de qualidade, esperando mais surfistas outsides.

0
505

Surfistas, uma das últimas tribos nômades do planeta. E a busca é sempre por ondas perfeitas e nunca surfadas. No  ano da criação da Associação de Surf do Piauí(ASPI) e do Circuito Piauiense de Surf(CPS), em 1996, um grupo de surfistas outsides foram em busca destas ondas no arquipélago formado pelos braços e igarapés do rio Parnaíba(PI) e que formam o famoso e tão divulgado, porém pouco explorado, Delta do Parnaíba.

Era final de abril, logo após a primeira etapa do recém criado Circuito Piauiense de Surf,  após uma sessão de surf na mística Pedral(Praia da Pedra do Sal), os surfistas Deodato Silva, João Marcelo, Dante Aliguierre e Alan Castelo, começaram a imaginar sobre as conversas dos pescadores locais, que sempre falavam que se na Pedral tinha ondas grandes,  nas outras ilhas do Delta tinham ondas gigantes, e estas histórias povoavam nossas mentes férteis, imaginando as possíveis morras que quebravam a poucos quilômetros de nós. Os relatos dos locais eram de “mar de rolação” que geravam ondas grandes naquela área, ondas  extensas e que quando quebravam na costa formavam “canudos” que se podiam ver do outro lado, tubos!

20161122_174956-1A vontade de surfar ondas grandes e tubulares, a aventura e o espírito pioneiro,  fizeram com que nós tomássemos a decisão de explorá-las. Logo no dia seguinte começamos a planejar e nos organizar para ir em busca deste secret point, conferir pessoalmente estas massas d’água jamais surfadas. Todos estávamos eufóricos e excitados pelo que iríamos encontrar. Entramos em contato com um barqueiro  e combinamos hora e local para darmos início a esta jornada rumo ao desconhecido.

Chega o grande dia, fomos de carro até o porto dos Tatus, lá já se encontrava nosso barqueiro no qual iria nos levar à Ilha dos Poldros, uma das ilhas relatadas pelos pescadores. A barca estava pronta, mantimentos, água, cervejas e o principal, as pranchas. Estava tudo pronto para darmos início a maior surftrip já realizada por surfistas piauienses, desbravar as ondas do delta do Parnaíba.

O percurso foi de aproximadamente duas horas pelos sinuosos igarapés e rios do delta. Mangues, vegetação nativa, pássaros , animais selvagens faziam parte do cenário,  mas não estávamos ali pra fazer turismo e sim para deslizar sobre as secretas e virgens ondas da ilha dos poldros, nosso ponto de chegada.

20161122_175009-1Passamos pela Ilha das canárias, e logo após avistamos o nosso destino, saímos da boca de barra das canárias e adentramos um igarapé que circundava a ilha por um lado, pois do outro lado estava o oceano Atlântico. Ao chegarmos o visual era incrível, dunas brancas, a mata virgem ao lado e o rio, neste momento apontamos para além das dunas. “Lá depois das dunas está nosso maior objetivo as ondas galera…..woohoo”, todos na maior vibe e adrenalina. Aportamos nas dunas e fomos logo caminhando, foram cerca de dez minutos de caminhada até que finalmente enxergamos o mar  e conhecemos o primeiro, dos três picos, surfado por nós.

Neste momento  todas as histórias dos pescadores locais se confirmaram. Encontramos ondas grandes, extensas e tubulares. O pico era extraordinário, as ondas vinham do outside e encontravam uma bancada rasa de areia que fazia a onda levantar formando uma parede grande e vertical, que variava de 04 a 06 pés plus.

Neste dia fizemos história, sessões e mais sessões de surf , uma onda atrás da outra, quando a série entrava na bancada, para serem surfadas por apenas quatro jovens que decidiram sair da sua zona de conforto e encarar o que esta lá fora, outsides. Sonhávamos com os relatos dos locais e naquele dia nossos sonhos se realizaram ao surfar pela primeira vez ondas boas de qualidade e desconhecidas.

20161123_181313-1P.S. Após aquela pioneira surftrip retornamos muitas mais vezes com outros brothers para se deleitar com aquelas ondas mágicas. Mais dois picos foram descobertos além do pico do pontal, o pico do pau seco e o pico do farol. E elas continuam lá só esperando outros surfistas de atitude. E muitas outras ondas estão perdidas ou secretamente escondidas esperando para serem surfadas, pois são dezenas de ilhas espalhada por todo delta, todas com uma estória a ser contada.